Tesla fecha concessionárias para apostar em modelo de vendas online

Tesla fecha concessionárias para apostar em modelo de vendas online

Tesla anunciou que está fechando todas as suas lojas físicas em um esforço de reorganização que deve culminar em uma queda no preço do Model 3, um de seus principais veículos. A ideia, de acordo com a empresa, é fazer com que o preço inicial do carro passe a ser de US$ 35 mil em vez dos US$ 42.900 que são cobrados atualmente no mercado americano.

De acordo com o CEO e fundador da montadora, Elon Musk, o fechamento das concessionárias e um processo de reorganização interna são as únicas maneiras de manter a viabilidade do negócio e garantir que ele continue funcionando com essa redução de preço. Com a baixa, o objetivo é aumentar as vendas, tornando o Model 3 mais atrativo diante da concorrência e garantindo a entrada de dinheiro para a sobrevivência da companhia.

A montadora não confirmou quantas de suas 378 unidades espalhadas pelo mundo serão fechadas, mas disse que algumas serão reformuladas em “centros de informação”, tendo veículos para test drive, showrooms e funcionários que apresentarão os modelos e darão informações aos clientes. Segundo Musk, tais estabelecimentos ficarão em áreas de grande circulação, mas o executivo não deu mais detalhes sobre isso.

A redução não deve afetar apenas o Model 3, mas é claro que ele, como principal modelo da marca, é o destaque. Entretanto, a ideia é que, com o fechamento das concessionárias, a queda média nos valores dos carros da Tesla seja de 6%. O movimento deve acontecer neste primeiro semestre, com a expectativa de os primeiros resultados aparecerem já no final deste ano.

A fechamento das lojas físicas, por outro lado, não deve afetar fábricas ou centros de distribuição, nem o ritmo de fabricação dos carros em si. Com a mudança, claro, a espera dos clientes pelos veículos deve aumentar devido a questões de logística, mas essa, espera Musk, deve ser a única mudança em relação ao modelo atual, com a boa e velha saída do carro da garagem.

Não que as outras unidades da Tesla também não tenham sofrido seu impacto. Em janeiro, por exemplo, 3,1 mil pessoas foram demitidas da montadora, um montante equivalente a 7% de sua força de trabalho. As dispensas já são resultado do processo de reorganização que prossegue agora com o fechamento das concessionárias e deve incluir novas ações, internas e externas, no futuro próximo.

Ao anunciar a notícia, Musk também aproveitou para antecipar a expectativa de mais resultados negativos no relatório financeiro relacionado ao primeiro trimestre de 2018. Essa é uma expectativa compartilhada pelo mercado, mas o executivo garante que as medidas necessárias estão sendo tomadas para conter a sangria e garantir lucratividade nos trimestres seguintes.

Uma perspectiva, por exemplo, é a de vender 500 mil Model 3 por ano depois que o valor inicial do carro for reduzido a US$ 35 mil, algo que deve acontecer no segundo semestre. Além disso, Musk cita medidas de incentivo do governo para compra de carros elétricos, com taxas menores, como outro alavancador para os próximos meses.

Ainda assim, o mercado não reagiu muito bem à notícia do fechamento das lojas da Tesla. Após o pregão desta quinta-feira (28), quando o anúncio foi realizado, as ações da empresa caíram 3% e a perspectiva é de mais baixas ao longo das negociações desta sexta (1º).

Fonte: https://canaltech.com.br

Envie seu comentário